obstructive sleep apnea

Investigadores na Noruega estudaram a associação entre a apneia obstrutiva do sono e outras doenças como a hipertensão, a DPOC, a diabetes e a obesidade.

A apneia obstrutiva do sono (ASO) é um distúrbio do sono caracterizado por breves interrupções ou pausas na respiração durante o sono. Uma causa comum para a obstrução é o relaxamento dos músculos que causa o colapso dos tecidos das vias respiratórias. Enquanto que muitos indivíduos sofrem pequenos episódios de ASO , apenas cerca de 15% sofrem de ASO grave.

Uma vez que os indivíduos que sofrem de apneia obstrutiva crónica raramente estão cientes destas interrupções, estes podem sofrer de ASO durante anos sem serem diagnosticados. Para além disso, a sonolência diurna e a fatiga são geralmente atribuídas a outros fatores e, portanto, os efeitos gerais da apneia obstrutiva do sono ao longo do tempo não são ainda compreendidos.

Num estudo recente publicado em PloS ONE, investigadores de Bergen, na Noruega, analisaram se a apneia obstrutiva do sono estava associada a um maior risco do infarto do miocárdio, angina, acidente vascular cerebral, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), hipertensão arterial, diabetes, asma ou obesidade.

No total foram recrutados 1,887 indivíduos que suspeitavam sofrer de ASO para participar neste estudo que decorreu entre 2011 e 2014. Setenta por cento dos participantes eram homens e a idade média era de 48.6 anos. Cada participante foi submetido a um estudo do sono para analisar se realmente sofriam de ASO e a severidade desta. A apneia foi definida como a redução do fluxo de ar nasal em 90% ou mais durante pelo menos 10 segundos. Para além disso, foram também registados o sexo, peso, altura e valores da pressão arterial dos participantes. Finalmente, cada participante preencheu um questionário acerca de condições de saúde das quais tivessem conhecimento.

Os investigadores descobriram que apesar de todos os participantes terem sido recrutados com base na suspeita de sofrerem de apneia obstrutiva do sono, 38% não sofriam de apneia, 17% sofriam de apneia moderada e 15% de apneia severa. Descobriram também que a severidade da ASO estava associada a uma maior ocorrência de infarto do miocárdio, angina de peito e diabetes. A obesidade e hipertensão estavam em grande parte relacionadas com a severidade da apneia. Não foi encontrada associação entre a apneia e o acidente vascular cerebral, a DPOC ou a asma.

Surpreendentemente foi descoberta uma ligação negativa entre o consumo de tabaco  e a severidade da apneia. Os investigadores concordaram que tal descoberta pode ser explicada pela frequente discussão pelos profissionais de saúde acerca dos riscos do consumo de tabaco para a saúde e a cessação de tal hábito em relação à apneia. A amostra de grande dimensão e a utilização da regressão linear e logística dão credibilidade aos resultados alcançados; no entanto, não fica estipulado se a apneia obstrutiva do sono antecede ou se se desenvolve como resultado de outras doenças.

 

Escrito por Debra A. Kellen, PHD
Traduzido por Ângela Carvalho, PgC

Referências:

Tveit, R. L., Lehmann, S., & Bjorvatn, B. (2018). Prevalence of several somatic diseases depends on the presence and severity of obstructive sleep apnea. PloS one, 13(2), e0192671. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0192671

Facebook Comments